Watch videos with subtitles in your language, upload your videos, create your own subtitles! Click here to learn more on "how to Dotsub"

Who Killed The Electric Car

0 (0 Likes / 0 Dislikes)
Senhoras e senhores, estamos reunidos aqui, hoje... para lamentar a perda... de algo que amamos. Viemos nos despedir... de um amigo especial... de um conceito. Alguns diriam que estarmos reunidos hoje... para chorar a perda de um carro seria ir longe demais. QUEM MATOU O CARRO ELÉTRICO? Em 1996, começaram a surgir carros elétricos... nas estradas da Califórnia. Eram silenciosos e rápidos... não expeliam fumaça e não consumiam gasolina. Dez anos depois... esses carros futuristas quase haviam desaparecido. O que houve? Por que seríamos assombrados pelo fantasma do carro elétrico? Esta não foi a primeira vez que ele foi morto. Há cem anos, havia mais carros elétricos nas ruas... do que carros a gasolina. Para muitos, os carros elétricos eram os preferidos. Eram silenciosos, suaves e podiam ser recarregados em casa. Em contrapartida, os movidos a gasolina... precisavam de manivela e produziam fumaça. Estou aqui porque sou tão idosa... que me lembro de quando surgiram os carros elétricos. Eu devia ter uns 6 anos quando fui assistir a uma sinfonia... no querido carro elétrico. Eram silenciosos e suas janelas eram de vidro bisotê. Era quase como sentar dentro de uma lâmpada gigante. O que houve? Por que o carro a gasolina ganhou do carro elétrico? O séc. XX ganhava velocidade e o carro elétrico perdia impulso. Partidas automáticas, petróleo mais barato... e produção em massa deram vantagem ao carro a gasolina. Em 1920, o motor a combustão interna... ganhara a corrida pelo controle das estradas... e nascia a moderna era automobilística. Dentre as centenas de milhões de carros feitos no séc. XX... quase nenhum era elétrico. Eram maneirosos, rápidos... e deram as estradas aos norte-americanos. Mas com o tempo, sua principal falha tornava-se mais evidente. Poluição. A Califórnia tem a pior qualidade de ar do país... o que tem impacto sobre alguns dos maiores centros urbanos. Em meu bairro, temos a chamada "Nuvem Negra da Morte"... suspensa sobre as áreas do porto e suas cercanias. Vemos efeitos extremamente debilitantes... índices de asma, de câncer... de desenvolvimento dos pulmões das crianças... crianças que não podem brincar ao ar livre. Em 1989, um estudo concluiu... que um a quatro jovens entre 15 e 25 anos, em Los Angeles... tinha graves lesões pulmonares... e moléstias pulmonares crônicas. Em 1990, houve 41 alertas contra poluição de Grau Um. Não importa o modelo do carro... cada litro de gasolina queimado... acrescenta 8,6kg de dióxido de carbono ao ar. Quanto mais gasolina queimada, mais dióxido de carbono criado. Se não se fizer algo a respeito, se não isolarmos esse dióxido... ele subirá para a atmosfera e ele causa aquecimento global. Os problemas de aquecimento global serão bem maiores... do que os de assistência social, ou até de guerra ou terrorismo. É ter nas mãos o equivalente a uma bomba-relógio nuclear. Se o aquecimento global e doenças pulmonares... causados por poluição não forem importantes... se tudo isso não contar, vamos nos ver encrencados. E há uma crise de saúde pública... para a qual precisamos de incentivos e de alternativas. As empresas automobilísticas experimentaram alternativas... mas nenhuma delas pareceu sair das áreas de testes. Lembro-me que era presidente da Tennessee Valley Authority... e estávamos promovendo o carro elétrico, em fins de 70. Eu tinha até planejado uma corrida... de Gatlinburg, no Tennessee, a Nashville... entre Paul Newman e Robert Redford. Estava tudo organizado. Aí, percebi que teríamos grande publicidade nacional... mas não havia carros nos "showrooms". Um outro tipo de corrida seria necessário... para fazer do carro elétrico o carro do futuro. O Sunraycer era um veículo a energia solar... desenvolvido aqui, na AeroVironment... para ganhar uma corrida. Em 1987, a GM ganhou a corrida mundial a energia solar... na Austrália, com o Sunraycer... um carro elétrico movido a energia solar. Encorajado pelo sucesso, seu presidente, Roger Smith... desafiou a equipe de projetistas... a construir o protótipo de um carro elétrico prático. Se devíamos prosseguir à toda com o carro elétrico... a eletrônica tinha de ser boa o bastante... para garantir o conceito... e era aí que entrava o trabalho de Alan Cocconi. Vocês construíram o protótipo disto em sua garagem? Foi. Minha garagem não é uma garagem comum. É uma oficina muito boa e um laboratório de eletrônica. Mas, sim, construí lá. É como um amplificador estéreo de três canais. Fornece o comprimento correto das ondas seno... e a freqüência certa para impulsionar o motor... em todas as condições de operação. É um amplificador estéreo de cem mil watts. O sistema de potência inovador de Alan ajudou a criar... um carro elétrico diferente de todos testados antes. Eles mantiveram este carro em segredo... um segredo mais bem guardado que qualquer outro, em Detroit... porque foi todo desenvolvido aqui, na Califórnia. Então, foi uma surpresa total... quando ele foi apresentado na Feira de Automóveis de L.A. Representará um grande passo à frente para as pessoas... em termos de transporte de ida e volta do trabalho... se não for preciso rodar mais de 200km por dia. Além das piadas sobre a sabedoria... de chamá-Io de "Impact"... ele era bastante impressionante. Era de alta tecnologia... com uma premissa interessante. Tínhamos um tipo de Corvette elétrico, de dois lugares... de linhas vistosas e tudo mais, que poderia vender bem. É interessante. Eu trabalhara com o gerente do projeto... que me chamou e disse... "Gostaria de participar do programa do carro elétrico?" Eu disse: "Tudo bem. O que devo fazer?" E ele: "É simples... estimule a demanda para o carro elétrico". Eu respondi: "Alguma instrução?" Ele pegou uma folha de papel em branco... empurrou-a para mim e disse... "Sem instruções. Vá descobrir". Foi aí que me aliei ao programa. Consegui despertar muito interesse na indústria... e algo mais. Ele atraiu a atenção da Comissão de Recursos da Califórnia. A Comissão de Recursos da Califórnia... ou CARB, como era conhecida... viu no carro elétrico a chance de resolver outro problema. Como a GM já anunciara que produziria o carro elétrico... antes mesmo de adotarmos a ordem... a tecnologia do carro elétrico tornou-se algo muito promissor. Sabendo que um carro elétrico moderno agora era possível... os legisladores da Califórnia... deram um passo ousado e inédito. Eles aprovaram a Ordem de Veículo com Emissão Zero. A ordem era simples. Se as montadoras quisessem vender carros na Califórnia... alguns deles deveriam ser carros sem emissão de gases. Eles resolveram ir além "Vamos definir 2% em 1998. Vamos definir 5% em 2001 e 10% em 2003." Para as montadoras, só havia duas opções... cumprir a lei ou lutar contra ela. No fim, elas fariam as duas coisas. O carro elétrico está aqui. O EV1, da General Motors. O protótipo do "lmpact" tornou-se o EV1... o primeiro carro elétrico moderno de produção em série... de uma grande montadora dos EUA em quase um século. Coube à divisão Saturn da GM... promovê-lo na Califórnia e no Arizona. Comprei meu primeiro Saturn aos 17 anos, e disseram... "Quer vir trabalhar aqui?" E pensei que era um bom trabalho... e que assim, poderia custear a faculdade. E no fim, eu amava os carros... mais do que aquilo que estudava. Três anos depois, divulgaram o programa do EV1 e embarquei. Éramos treze pessoa... na maioria, na faixa dos vinte, solteiros... independentes, sem filhos... querendo fazer de tudo e ganhando pouco. Cada um cuidava de uma região geográfica. A minha começou em L.A. Eu trabalhava com todo mundo... de engenheiros e estudantes a celebridades. Viva! Viva! Viva! Alexandra! Tenho uma foto minha ouvindo a música deste Saturn... me sentindo muito feliz. Tive um dos primeiros EV1's e o usava aqui, na capital. Eu adorava o carro. São tudo que os americanos querem em um carro. São legais, são rápidos, sexy. Entre no carro e me senti... Tinha um preço bem razoável. Entre US$ 250 e US$ 500 por mês. Não tentei acelerar muito, porque há muitos policiais. Tenho medo de ser multada, eu ficaria muito empolgada. Acredite se quiser, esse malandrinho anda. Ele desce a PCH tão rápido que pode ser multado. Eu me senti como Batman, sabe? Faz aquele som... E a forma como ele decola da batcaverna. O portão se abre e... Você entra, o console está do seu lado... a iluminação é linda. Era silencioso. O carro era tão rápido... que parecia ultrapassar a própria sombra. É divino de dirigir. Era a crista da onda que achávamos que chegaria. A novidade que iria mudar o modo de todo mundo guiar. Outras montadoras começaram a atender à regra... muitas vezes, com conversões de carros a gasolina... mas com muitas das vantagens do EV1. Não sou mecânica e adoro lidar com meu carro elétrico, é fácil. É só ligar à noite e, quando vou sair... eu o desligo e saio. São para pessoas que amam o meio ambiente. São para quem ama carros. Quem tem de ir a algum lugar. Ele é incrível. Com este carro, Dave, é enfiar a chave e girar. E há uma coisa no assoalho, chamada pedal. Um pedal. O emocionante... é que o custo operacional do carro é o mesmo... de se dirigir um carro a gasolina típico... mas a gasolina custa US$0, 16 por litro. Abastecer no posto é chato, acredite se quiser. Ligar o carro à tomada, não. Você carrega a bateria em casa. Roda entre 110 e 130km com cada carga... o que, para mim, é mais do que dirijo em um dia. Começaram a ver os carros na rua... e a entender melhor o que ele podia fazer. Amigos, vizinhos e parentes começaram a dizer... "Ei, que idéia bacana, preciso de um desses". E começamos a ver surgir um impulso nisto... e as listas de espera sendo criadas para esses carros. - Resumindo. - Resumindo, entrei "on-line"... procurando outro Toyota RAV-4 e vi um Toyota RAV-4 EV. E pensei: "O que é isso?" Cliquei. Todo meu mundo se abriu. É um carro elétrico. Roda 160km por carga. E eu: "Não sabia que existia. Não saiba que era possível. Como eu não sei disso? Já viu isso na TV?" Quando tentei comprar o Honda EV Plus... dirigi o carro e disse: "E um ótimo carro! Eu quero." O vendedor ficou pasmado. Não sabia o que fazer. Ele nunca vendera um antes. Não sabia o que fazer. E levei seis semanas negociando, até poder tirar o carro deles. Nada como dirigir um carro em que a gente se dá conta... de que está no meio do tráfego e não sai poluição do escapamento. Você está sentado ali, baterias ligadas. Ao dirigir o carro elétrico, do que está nos poupando? Estou salvando os EUA, Dave. É o que estou fazendo. Estou salvando os EUA... - dirigindo um carro elétrico. - Deus o abençoe. Nem todos tinham certeza... de que o carro elétrico salvaria os EUA. Mesmo quando a GM produziu o primeiro lote de EV1"s... havia céticos. A aceitação e compreensão do consumidor foi importante. E descobrimos que as pessoas são muito cautelosas... com relação ao carro elétrico. Eu pensaria em um, mas não sei. Não pesquisei o suficiente. Não sei se são grandes o bastante. Se serão fortes, grandes, de confiança. Preciso saber aonde posso ir, onde recarregar... o que tenho de fazer quanto à bateria. Ninguém quer um carro minúsculo com rodas de 40cm. Como se pode consertar isso e se exibir pela cidade? Enquanto alguns consumidores expressavam seu ceticismo... a Califórnia sofria pressão para revogar a ordem. Um grupo, chamado Californianos Contra o Abuso das Empresas... lutou por uma pequena sobretaxa para criar postos de recarga. Eles iam às sessões da câmara local e diziam... "Não querem incluir um posto de recarga de carro elétrico. É desperdício de dinheiro público". Tinham abaixo-assinados. Empresas como Trader Joe's e outras, ao que você diria... "Por que elas apóiam algo assim?" Os motoristas de EV uniram-se e redigiram cartas... a alguns dos listados na página da Internet que os apoiavam... e disseram: "Você sabe o que está apoiando?" E conseguiram tirar todos esses nomes da lista. Investigações posteriores revelaram que esses grupos... eram organizações de consumidores só no nome... custeadas quase exclusivamente pela indústria do petróleo. As empresas petrolíferas também pagavam... por editoriais em publicações nacionais... argumentando que os benefícios ambientais dos EV"s eram dúbios. Carros elétricos. Terão de mudar a energia, não será petróleo. Se mudarmos para o carvão... haverá problemas ambientais que são muito desconcertantes. No momento, nos EUA, usa-se 55% de carvão. Se comparar os números a usinas de energia de carvão... não vai acabar com desempenho ambiental melhor... mas com um duto mais longo. Há inúmeros estudos do Comitê de Energia da Califórnia... mostrando, claramente... que o carro elétrico é bem mais eficiente e menos poluente... mesmo que se use a eletricidade de usinas a carvão. Mas os argumentos contra os elétricos não pararam aí. Chegaram, mesmo, ao argumento ridículo... de que havia... uma questão ambiental de justiça envolvida... porque diziam que só os ricos podiam comprar carros elétricos. O ar não conhece os limites entre Brentwood e L.A. Sul. As montadoras argumentavam que a ordem era muito rígida. Tínhamos de ajudar a regulamentar. O pessoal da regulamentação não entendia nada disso. E começamos a ter a sensação sombria... de estar num penhasco. Não seria possível. A Califórnia enfrentava a perspectiva do que fazer... caso as montadoras não se submetessem. Então, em vez de fazer malabarismo político... sobre o que aconteceria se elas não se submetessem... começaram a negociar alguma flexibilidade da ordem. A Califórnia cedeu frente às montadoras... adaptando um memorando de acordo. Um dos acordos com o estado era para as montadoras... construírem e comercializarem os veículos elétricos... conforme a demanda. Se não quisessem construí-los... as montadoras teriam de defender a inexistência de demanda. A pessoa não será identificada, mas almoçávamos um dia... no refeitório executivo do Centro Técnico da GM. Só nós dois. Ele se inclina para mim e pergunta... "Dabels, quer saber? Você é meu pior inimigo". Retorqui: "Por quê?" E ele... "Bem, estou fazendo 'Iobby' para demonstrar... que não há demanda para o carro e você prova o contrário". Sentávamos com Hal Reiny, ou executivos da GM, pensando... "Até onde, com que rapidez, quanto?" Eram as três perguntas que nos pediam... para colocar na propaganda. Não é ciência de foguetes. Eles voltavam e faziam exatamente o contrário. Nunca vimos um anúncio de TV... com um carro elétrico galgando uma encosta... com um homem ou mulher bonita dirigindo-o. É assim que se vendem carros. Como ele anda sem gasolina ou ar? Como ele anda sem centelha e explosão? Como ele anda sem marchas ou transmissão? "Como ele anda?" Pergunte a si mesmo. E você se perguntará... "Como vivemos tanto tempo sem ele?" O carro elétrico. Ele não está chegando. Ele já está aqui. Qual era o objetivo desses anúncios? , Seria atrair os consumidores ou assustá-los? O objetivo, na GM, era tornar o carro a bateria ou elétrico... um negócio viável, comercialmente, para a GM. O porta-voz da GM, Dave Barthmuss... trabalha na GM há quase dez anos. Gastamos mais de um bilhão de dólares nesse mercado... construindo o mercado. Ou seja, propaganda premiada, desenvolvimento do veículo... desenvolvimento da infra-estrutura de recarga. E, em quatro anos, mais ou menos de 1996 a 2000... conseguimos financiar oitocentos EV1's. E começamos a lista de espera para provar a demanda à GM. Mas, independe do número de pessoas naquela lista... jamais foi considerada demanda suficiente. Tudo era só história para a GM. Ouvimos falar dessas listas de longas esperas. Francamente, tínhamos uma lista de umas 4.000 pessoas... que levantaram as mãos e disseram... "Eu teria interesse em um EV1, de financiar um EV1". Entramos em contato com cada um, reduzindo a lista, gradualmente. Até chegarmos ao ponto de ter mesmo alguém para assinar... a lista encolhera de 4 mil para cerca de 50 pessoas. Só recentemente, finalmente, eles admitiram... que havia uma lista de espera... e explicaram que... após esclarecer as limitações do carro... só cinqüenta pessoas ainda restariam. Se você quiser, sinceramente, comercializar um produto... não começa descrevendo as limitações do produto. Tom Everhart é presidente emérito na Cal Tech. Ele participou da diretoria da GM durante treze anos. Acho que a General Motors não se empenhou, realmente... em produzir logo os carros elétricos. Se o presidente da GM entendeu isso, eu não sei. Tínhamos de pedir autorização quando queríamos dar um carro. No fim, quando tínhamos poucos carros... redigíamos análises de casos. Tentamos pôr os carros nas mãos das celebridades... porque eram os únicos com chance de receber o carro. Um professor primário de ciências não tinha chance. Tive de escrever um currículo para Mel Gibson... o que ele fizera e realizara... já que aqueles com quem eu tratava... não acreditavam que ele autorizara o carro. Ficava pensando por que tinha de preencher isso, sabe? Tinha de informar a eles onde tinha marcas de nascença. Era tudo, sabe? "Teve algum aparelho proctológico... inserido recentemente? Não." Tinha de ser muito específico sobre um monte de coisas. Os consumidores o queriam... mas o viam como veículo limitado... e esperavam pagar um preço limitado. E não é nada irracional o consumidor que disse isso. É uma declaração perfeitamente razoável. Você me dá um carro que faz menos, quero pagar menos. Certo. Infelizmente, não dava para cobrar menos. Argumentavam coisas como dinheiro... que eram muito caros de montar... mas montavam quatro por dia. Eram carros bastante artesanais... com componentes especializados... e se fossem comercializados em massa, claro que barateariam. Enquanto as montadoras argumentavam falta de demanda... os defensores do carro elétrico acharam ouvidos simpáticos... na indicação do cientista ambiental, Dr. Alan Lloyd... para presidente da Comissão de Recursos Aéreos da Califórnia. Da primeira vez que presidi, com essa pauta... senti que as montadoras não se empenhavam muito. Pensei: "Desçamos o chicote com mais força, mais vezes. Elas precisam se esforçar." Sentíamos que a regulamentação precisava mudar, drasticamente. Havia um movimento nesse sentido, mas não a eliminou. Enquanto as montadoras brigavam contra a ordem, em Sacramento... a GM, discretamente, fechou sua linha de montagem de EV1... e começou a dispensar o pessoal de vendas. De repente, não só saíamos do projeto, mas da empresa. Começaram com os que tinham... listas de espera mais longas mais clientes. As áreas básicas foram as primeiras a sumir. Assim, ao final de 2001... foi o fim de meu emprego na General Motors. Estudando as práticas da GM através dos anos... e não falo pelos engenheiros e cientistas... que realmente teriam gostado de fazer algo melhor... com tecnologia do veículo motor, mas os executivos do topo... seu lema parecia ser: "Entrar de ré no futuro." E é isso que têm feito, há décadas. Como veterano defensor do consumidor... Ralph Nader utilizou campanhas populares... para tornar os carros mais seguros... e mais eficientes quanto a combustível. Ele está familiarizado com as táticas da indústria... para resistir a mudanças. Há vários meios de se forçar os políticos a se ajoelharem. Quando as montadoras conseguem uma boa vantagem na liderança... elas trabalham desgastando, desgastando. Quando o prazo final se aproxima... dizem: "Não é possível"... e "Haverá conseqüências terríveis". As montadoras levaram a briga a um novo nível. Processaram a Comissão de Recursos Aéreos da Califórnia. A GM liderou o processo... Iogo apoiada pela Chrysler e várias concessionárias. Enquanto a Califórnia murchava, sob a pressão... as montadoras achavam um aliado poderoso. O governo federal. Logo após juntar-se ao processo... a administração Bush fez outro anúncio. Hoje, proponho US$ 1,2 bilhões em verbas para pesquisa... para que os EUA possam liderar o mundo no desenvolvimento... de automóveis limpos, movidos a hidrogênio. O governo... aliava-se às indústrias automobilística e petrolífera... para endossar o novo carro limpo do futuro. Com mais de um bilhão de dólares federais à disposição... nos anos seguintes, a campanha por veículos a hidrogênio... começou a abalar a Califórnia. Bem-vindos à Parceria Célula de Combustível da Califórnia... onde abastecemos o futuro... de modo amigável para o ambiente. Montadoras, fornecedores de energia e de tecnologia... além de agências governamentais, trabalham juntos... para comercializar a célula de combustível para veículos. Logo, vocês verão alguns deles rodando em seu próprio bairro. Não vamos só sonhar com postos de abastecimento de hidrogênio. Não vamos só sonhar com os carros a hidrogênio. Vamos construí-Ios. O Hummer a hidrogênio não é um veículo de produção... é um carro-conceito. É uma forma do Gov. Schwarzenegger... participar de vários eventos... quando ele revela um posto de abastecimento a hidrogênio. No aeroporto internacional de Los Angeles, por exemplo. Vou estimular a construção de uma estrada do hidrogênio... que nos leve ao futuro ambiental. Enquanto células de combustível de hidrogênio ofereciam... uma estimulante alternativa para algum dia, no futuro... o que aconteceria com a tecnologia de hoje? O que aconteceria ao carro elétrico? Tudo se resumiu em reunião decisiva na CARB. Cidadãos e indústria testemunhavam... enquanto a CARB se preparava... para votar o destino do elétrico. Eu gostaria de agradecer, ainda, a todos os demais acionistas... especialmente, também, à indústria automobilística... que também terá grande impacto aqui. Gosto do fato de o hidrogênio estar, talvez... em posição de substituir os produtos à base de petróleo. Partilho seu otimismo quanto às células de combustível... mas não com o mesmo alcance. Considero que seja estratégia de jogar a isca e virar o jogo. Espero estar errada. Preocupa-me que sejam números baseados em células combustível. E se as células de combustível não derem certo? Parece que a maior parte das recentes mudanças à ordem... foi concebida para facilitar o ônus para as montadoras. O senhor faz parte da Agência de Proteção Ambiental... não da agência de proteção ao lucro empresarial. Creio que também sou contribuinte deste mercado. Concordo! Concordo. Mas, lembre-se, vocês são muitos. Não vamos dar mais tempo aos fabricantes de automóveis. Lou Browning tinha a tarefa de apresentar um relatório... e ele teria dez minutos. Uma coisa que descobrimos é... Sr. Browning, agradeceria se pudesse resumir em 3min. Certo. Pensei que teria dez. Alan Lloyd cortou-o, mas deu às montadoras... tempo ilimitado no início do dia. E as melhorias de que precisamos nas células de combustível... são, principalmente, para baixar o custo. Além do mais, recentemente, certificamos e autorizamos... o veículo Honda SCX com célula de combustível. Este trabalho é promovido, em grande parte... para Parceria Célula de Combustível da Califórnia... que foi de grande valia na reunião de vários interesses. Qualquer informação nova sobre baterias... que não se coadunasse às conclusões gerais... era, simplesmente, calada rapidamente por Alan Lloyd. Vamos deixar isso claro. Não estou demonstrando qualquer viés ou tendência. Havia 80 pessoas presentes para falar dos carros elétricos... e só dois representantes das indústrias contra a ordem. Temos 4 pessoas, em 78, que apóiam esta proposta. Como terminamos assim? Este é um programa muito duro. Um programa revolucionário. Cutuca as montadoras com força, elas não gostam e revidam. Enquanto deliberam, hoje... sobre o destino deste programa... eu os exorto a reunir toda sua coragem política... para tomar as decisões difíceis e necessárias ao programa. Porque, para proteger a saúde do povo da Califórnia... não há, simplesmente, mais decisões fáceis a tomar. A CALIFÓRNIA MATOU A ORDEM SOBRE O CARRO ELÉTRICO Vi isto como a perda de uma grande oportunidade... porque tínhamos investido muito em infra-estrutura, tecnologia. Foi como se puxassem o tapete. Eles abriram mão. Eu acho isso triste. É um comentário triste... da forma como nossa sociedade e o sistema americano funcionam. Quando a GM introduziu o EV1, a Califórnia atingia... os níveis mais altos de poluição por carros do país. 10% dos carros vendidos aquele ano deviam ser de emissão zero. Mas a Califórnia abriu mão ao ser processada pelos fabricantes. Muitos veículos, da Honda e da GM... eram leasing e não havia opção de compra. As montadoras aproveitaram-se disso... e tiraram os carros da rua. Não iriam deixar que as pessoas ficassem com os carros... e que os dirigissem como carros normais. Percebi que a GM perdia o interesse... quando quis renovar meu leasing e eles não permitiram. Nunca tive de implorar e lutar por um produto... bajular e insistir tanto para conseguir. E depois, implorar, lutar... e procurar formas de mantê-lo. Não davam opção de compra. Não davam opção de compra. Diziam: "Obrigado pelo leasing do carro. Tchau." E só. Devolva já. Devolva na data tal... ou você será responsabilizado. A GM foi retirando os carros silenciosamente... sem dizer muita coisa, afora alguns reclamações... de motoristas que perderam seus carros... mas nada de forma muito organizada. Eles não tinham escolha, tinham de devolvê-Ios... ou enfrentar as conseqüências legais... de praticamente terem roubado o carro. Pelo que sei, os carros foram devolvidos... porque as pessoas tinham muito a perder. Até hoje, os fabricantes não acionaram ninguém... por entenderem a demanda que havia e que ainda há. Resolvemos enfrentá-Ios de todas as formas possíveis. E nos tornamos organizadores. Por toda a Califórnia, os motoristas protestaram... para salvar o carro elétrico. Ninguém me fez mudar de idéia sobre os carros elétricos. Livrei-me do vício em gasolina. Sem conseguir mudar as medidas... os ativistas encenaram um funeral... para conscientizar as pessoas... no mesmo mês em que o alerta de poluição... chegava a Grau Um em Los Angeles, em 5 anos. Eu dirigi o EV1 de 1998 até dezembro deste ano... quando a GM irá me privar dele. O que os críticos do carro elétrico... disseram durante anos é verdade. Ele não é para todos. Devido ao alcance limitado... ele só supre as necessidades de 90% da população. As pessoas me perguntavam: "Por que você faz isso?" Eu dizia, principalmente após o nascimento de meu filho... que se fizesse bem meu trabalho... meu filho não saberia que existiram carros elétricos. Ele veio até aqui com um EV1 e disse... "Gostaria que pudéssemos manter o EV1 por muito tempo". Só pude responder: "Eu também". No verão de 2004, só restava... um EV1 em mãos particulares no sul da Califórnia. Este é o dia D, hoje é o fim. A GM fez tudo certo. Eles criaram um ótimo carro. Com boa engenharia, bem projetado. Gostoso de dirigir. Nunca vi uma empresa ir contra um produto seu assim, antes. É uma experiência estranha. O que faz o carro andar? Você aperta isso e ele anda. Pressiona aquilo ali. É um carro elétrico, como o de pai era. Você chegou bem na hora. - Eu sei, estou vendo. - É muito triste. Esta é a especialista em EV que mencionei... que me deu o carro dela. É triste demais, desolador. Está brincando? São meus filhos, cada um deles. Muito potencial humano se foi. - Muitas discussões. - Verdade. Sem carros elétricos na rua... agora a GM possuía toda a frota de EV1. Por que os queriam de volta? O que iriam fazer com esses carros? Descobrimos 78 EV1 estacionados nos fundos... de instalações da GM, em Burbank. Estavam tirando das ruas os carros que estavam bons. Deixem as pessoas dirigi-Ios até que não seja mais possível. De onde vocês são? Somos membros do Clube do EV1 e queremos ver nossos carros. Sei que estão sendo aposentados aqui. Não tenho autorização para deixá-Ios ver os carros. - Podemos apenas ir lá... - Não. Não se sabia para onde os carros iriam... até surgirem boatos na Internet. Soubemos por fontes secretas... que os veículos seriam levados para áreas de teste no Arizona. Muitos EV1 haviam sido levados para fora do estado... para as vastas áreas de testes da GM em Mesa, no Arizona. Esta área de testes da GM é tão grande... O local era restrito ao público... e não havia como saber onde os EV1 poderiam estar. Estamos sobrevoando a GM. Não há sinal deles. Eles estão ali. Sobrevoamos a GM e embaixo... perto da pista de corrida onde o EV1 foi testado... vimos talvez uns 50 deles... esmagados e colocados sobre caminhões-plataforma... próximos ao triturador amarelo. Acho que a General Motors já quase acabou. Creio que restam poucos EV1 que não foram esmagados. É muito triste. Uma de quatro coisas irão acontecer ao EV1. Irão para universidades, escolas de engenharia. Irão para museus e outros locais de exibição pelo país. Alguns são guiados por nossos engenheiros. E a úItima opção é a reciclagem. Saibam que cada peça do EV1 será reciclada... desmontada por terceiros e reutilizada. Tudo será reciclado. Não iremos apenas esmagá-Ios e enviá-Ios ao depósito de lixo. Quando vi a foto dos carros esmagados, aquilo doeu. Achei que era muita maldade. Ver no computador... pela Internet, os EV1 que a GM esmagou. Aquilo era errado, muito errado. Mas mais errados eram os motivos para isso. De repente, fomos deixados ao acaso. O que iríamos fazer agora? Na época em que isso acontecia... ninguém sabia que todas as montadoras iriam aderir. Mais dicas pela Internet revelaram... que os EV1 da GM não eram os únicos veículos ameaçados. Thinks da Ford e peruas Ranger elétricas... foram descobertos em Palm Springs... e dizia-se que seriam destruídos. Em Los Angeles, os ativistas viram... um caminhão com RAV4 elétricos da Toyota e o seguiram... temendo que seguissem para um desmanche. Na manhã seguinte, o caminhão voltou. Ele ia o mais rápido que podia em um transporte tão grande... tentando nos despistar, estava na cara. Mas ele não conseguiu. Claro que isso mudou os planos da Toyota. Era tão inconsistente. Eles não sabiam o que fazer. Ele foi até o fim do píer e dois seguranças saíram. Abriram o portão... o caminhão entrou. Depois, os seguranças saíram e nos vigiaram. Acabamos neste lugar remoto. Lá havia de tudo. Liberavam fumaça no porto... que as crianças iriam respirar. Eram um poço de petróleo. E a Toyota, que supostamente era a empresa mais ecológica... simultaneamente escondia que esmagava RAV4 elétricos... em vez de vendê-Ios aos compradores que os queriam. Ninguém mais viu os carros elétricos da Honda... desde que foram tirados dos clientes. Então, um episódio de "California"s Green"... foi exibido na PBS. Vamos poder ver carros triturados hoje. Com certeza. É algo que poucos conseguem ver. Nós desfazemos um carro por minuto... mil carros por dia, em um bom dia. E o interessante é que notamos, ao chegar aqui... que vocês destroem carros novos aqui também. Esses carros parecem perfeitos, por que vão ser destruídos? É um mistério, na verdade. Nos úItimos 8 anos, desde que estou aqui... nos trazem esses carros das revendedoras... dizem que são carros de teste de várias emissões... que as seguradoras não vão assegurá-Ios... e que precisam vê-los ser destruídos aqui. - Isso é uma pena. - É terrível. Gostaria de sair dirigindo um deles. Senhoras e senhores, este é o som... de um carro sendo esmagado e feito em milhares de pedaços. Não há precedentes de um fabricante de carros... recolher um modelo específico e esmagar todos eles... como se temesse que algum pudesse escapar. Creio que eles queriam se assegurar... de que não restasse algum deles rodando... para lembrar as pessoas de que existia o carro elétrico. As pessoas fazem analogias... dizendo que esmagar os EV era trair o sonho americano. Mas não é um sonho, está acontecendo agora. Podem estar traindo o meu sonho... mas estão traindo a realidade americana. Após a descoberta dos EVs esmagados no Arizona... os motoristas de carros elétricos agiram. Resolveram vigiar os EV1 restantes... no pátio da GM em Burbank. Há cerca de 70 carros restantes na Califórnia. Estão no pátio atrás de mim. E planejam esmagá-los, também. Temos de exigir que a GM os devolva. Reunimos tropas de interessados e organizações... para juntarem-se a nós e não sair de lá... as 24 horas do dia, todos os dias. São 6h, estou aqui há uma hora, na vigília... para que a GM não retire os carros daqui. Fomos ignorados nas primeiras duas semanas. Estava chovendo e foi meio deprimente ficar lá. Ao mesmo tempo, havia a sensação de missão. Eu cheguei aqui cerca de 5h45 e estava tudo bem quieto. Finalmente, no dia 15, anunciamos esta oferta. Os ativistas registraram... os números dos chassis dos carros armazenados. Chelsea liderou uma última tentativa... de tentar comprar os carros da GM. Certo, a GM diz que ninguém quer esses carros. Alguém quer comprá-los pelo valor residual do leasing? Em 48h, 80 pessoas se apresentaram. Só havia 78 carros no pátio e já tínhamos lista de espera... para um carro que não estava disponível. Foi um momento incrível. Então, achamos que seria apropriado fechar o círculo... e apresentar um cheque de US$1,9 milhões à GM... para os carros voltarem a circular. Apesar da oferta, a GM não respondeu. O destino dos últimos EV1 continuava incerto. Um pequeno grupo de ativistas continuaria a vigília... para manter vivo o sonho do carro elétrico. Quem controla o futuro? Quem tem o taco maior. De várias formas. Uma que possa machucar você... e uma a que eles possam pertencer. Senhores! Sei que estão preocupados... e concordo que há motivos suficientes para isso. Como esta usina de energia solar operando fora de Los Angeles. Células fotoelétricas... que convertem a luz do sol em eletricidade. Lâmpadas fluorescentes que duram 10 vezes mais... que as convencionais e usam um quarto da energia. Super janelas, que isolam tão bem... quanto dez lâminas de vidro. O carro elétrico... movido parcialmente por painéis solares. A verdade é que nada disso me preocupa, senhores. Ninguém jamais irá saber disso. Havia todo tipo de teoria da conspiração... sobre quem matou o carro elétrico. E quem foi que o matou? Infelizmente, não posso resumir isso numa frase só. O que matou o carro elétrico foi a falta de saberia corporativa. Acho que foram as empresas petrolíferas, Alan Lloyd matou o programa. Eu estava lá quando ele o fez. A Comissão de Recursos Aéreos da Califórnia... o matou devido à pressão das construtoras de automóveis. Elas assessoraram o crime, mas o assassino foi a GM. Não acredito em nada disso. A GM venderia carros movidos a esterco, se tivessem saída. SUSPEITO - CONSUMIDORES Os fabricantes responderam que não havia demanda suficiente. Afirmaram ter gasto milhões em propaganda... e não haver compradores interessados. Mas os consumidores ao menos sabiam que o carro existia? Você soube, alguma vez viu anunciarem este carro? Nunca, é o que quero dizer. Foi totalmente abafado. Não conheço quem dirija um EV1. - Você não conhece ninguém? - Ninguém. Talvez Fernando, eu o conheço. Você dirige um EV1? - Já ouvi falar deles. - Ele ouviu falar. Não estão mais fazendo esses carros na Califórnia? Não, em lugar nenhum. É uma pena, precisamos deles. Por que estão se livrando deles? Eles disseram que não há demanda. Estão loucos? Isso é irracional. Claro que há demanda. Economiza combustível, salva pessoas... salva o ar, o oxigênio, salva o mundo. Isso me parece ótimo. Vendemos carros há um século e como podem imaginar... percebemos o que as pessoas queriam. Se perguntar a elas, vão dizer: "Percorrer 500km. Andar entre 130 e 150km/h... levar 4 passageiros e ter uma mala grande". Que é basicamente o que já vendemos. Já disse várias vezes, as pessoas irão comprar... aquilo que forem convencidas a comprar. Se você alimentar bem as pessoas... elas vão achar que esta é a dieta. Os consumidores não sabem a diferença... entre o carro elétrico e aquele que já dirigem. Eles não lêem sobre o impacto ambiental. Ou sobre a instabilidade econômica... causada pela produção de petróleo no Oriente Médio. Só lêem sobre o funcionamento do carro e quanto ele custa. O que matou o EVforam os consumidores americanos... pois não aceitaram a idéia... não a abraçaram... de veículos com alcance limitado... que pudessem ser funcionais, úteis e práticos. SUSPEITO - AS BATERIAS O carro elétrico morreu devido à tecnologia das baterias? Os EVs realmente não alcançavam longas distâncias... e as montadoras... usavam as melhores baterias disponíveis? Na época, a tecnologia era de baterias chumbo-ácidas... e permitia que o carro percorresse 95km. Se você começasse uma viagem... sabendo que iria parar em 95km... isso iria deixá-Io nervoso. As pessoas acham que precisam de carros... que podem rodar 500km... e recarregar ou reabastecer em 5 minutos. Virtualmente, de 90 a 95% do tempo... você não precisa disso. Precisa de um carro que percorra cerca de 95km... e assim, sua movimentação do dia-a-dia está coberta. Para os que queriam distâncias maiores para os EVs... 160 quilômetros ou mais, já existia uma bateria melhor... desenvolvida por um inventor famoso de Troy, Michigan... a poucos quilômetros do QG da General Motors. Sou Stan. E Iris Ovshinsky. Acho que não devia fazer assim. Devia dizer: "Sou Stan Ovshinsky"... e eu diria: "Sou Iris Ovshinsky". Não faça assim. É engraçado. Com mais de 200 patentes em seu nome... o Dr. Ovshinsky havia criado uma nova bateria... e a GM adquiriu o controle acionário da empresa dele. Fomos escolhidos entre 60 empresas grandes... como a Westinghouse e outros... que queriam vencer a corrida das baterias... que seriam usadas nos carros elétricos. Fomos escolhidos porque tínhamos uma bateria. Para nós, usá-la em um carro não era nada demais. O que devíamos fazer? Mas você esperava champanhe e rosas. Eu esperava. Disse que colocaríamos um parágrafo no jornal... contando que havíamos conseguido. Eu realmente esperava congratulações. Aí fiquei sabendo que ocorrera o oposto. O Dr. Ovshinsky foi criticado... por publicar seus avanços sem permissão... e solicitaram que ele não fizesse anúncios... em publicações do país. O EV1 estreou com uma bateria mais fraca. Levaria dois 2 anos... para as baterias de Ovshinsky serem instaladas nele. A primeira versão do EV1... levava baterias Delco defeituosas e falhava. Elas foram a falha da GM. Depois que puseram boas baterias, não tiveram problemas. Por fim, a GM vendeu suas ações da empresa de Ovshinsky... para um comprador improvável. Quando melhoraram as baterias de Nl-MH, nickel metal hidreto... e elas passaram a durar mais que a vida útil do carro... e a serem mais baratas que um motor... a Chevron e a Texaco se adiantaram... e compraram da GM a tecnologia das baterias Ni-MH. As empresas de petróleo... não se sentiram ameaçadas por esta tecnologia... porque a esmagaram de forma eficaz. O que o matou foi a tecnologia ultrapassada. Foi um fracasso tão grande... que acho que havia muita gente envolvida na decisão inicial... tentando apontar os responsáveis. SUSPEITO - EMPRESAS DE PETRÓLEO NOVA RIQUEZA PARA O IRAQUE Boas notícias para Basra e Iraque... com a abertura de novo campo petrolífero. A tubulação atravessa o deserto até o Golfo Pérsico em Fahal. Lá, são enchidos tanques com o líquido precioso... de que o mundo tanto precisa. Sim, é um grande dia para o Iraque... e celebra-se com um banquete. Carneiro recheado com arroz e várias outras coisas. Mas esta é a primeira de muitas coisas boas para o Iraque... graças ao petróleo. As empresas petrolíferas nunca se isentaram... dos problemas globais. Mas porque se esforçavam tanto... em criar oposição pública ao carro elétrico na Califórnia? Acho difícil de entender... por que a indústria petrolífera se envolveu tanto. Talvez encarassem como ameaça ao monopólio... que detinham sobre o combustível para o transporte. Não há dúvidas de que quem controla o mercado, hoje... as empresas de petróleo, têm incentivos fortes... para desencorajar alternativas, exceto as que eles controlam. E assim como a GM, há cerca de 50 anos... adquiriu o sistema de bondes e o encerrou... elas se opuseram à criação de uma infra-estrutura elétrica. Eu discordo disso. Não matamos o carro elétrico. A indústria do petróleo não matou o carro elétrico. O que o matou foi uma tecnologia antiquada. É um bom exemplo de algo que não devemos repetir... um exemplo do que devemos evitar. Ainda há cerca de um trilhão de barris de petróleo... na crosta da Terra. Se pensar que o valor médio... será de US$100 por barril... serão cem trilhões de dólares ainda para faturar. Entretanto... quando uma alternativa for boa o bastante... as pessoas irão adotá-la. É isso que as empresas de petróleo mais temem. Por semana... usamos 1 bilhão de litros de gasolina na Califórnia. O galão agora custa US$2,20. Há um ano, custava US$1,20. Certo, é um dólar a mais por galão. Há alguém ganhando semanalmente US$280 milhões a mais este ano. São o mesmo petróleo, os mesmos dutos, as mesmas refinarias. Os lucros são impressionantes. LUCROS DAS 3 PRINCIPAIS EMPRESAS AMERICANAS DE PETRÓLEO: 2003: US$ 33 BILHÕES 2004: US$ 47 BILHÕES As empresas de petróleo temiam... que os veículos elétricos fossem um sucesso daqui a 6 anos. E as montadoras temiam... estar perdendo dinheiro com eles daqui a 6 meses. SUSPEITO - EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA Mesmo construindo os carros elétricos... as montadoras lutaram contra eles a cada etapa. Qual o motivo? Por que estavam determinadas a tirá-los das ruas? Acho que no começo... a GM não imaginou que o carro fosse pegar. Não creio que acharam que teriam de se preocupar... com uma conspiração para impedir que isso ocorresse. Eles odiaram a ordem. Tanto que acabaram não querendo fazer parte... da campanha do carro elétrico. Eu detectei um grande ressentimento... por receberem ordens quanto ao tipo de motor. E se tornou uma luta de princípios... em vez de uma luta tecnológica pela solução do problema. Sei que fiquei surpreso com algumas posturas adotadas... na discussão em Sacramento. Fim do comentário. Em um memorando confidencial de 1995... a associação das montadoras contratou... uma empresa de relações públicas para administrar... uma campanha educacional de base para repelir a ordem. O desafio, segundo o documento, era a crescente aceitação... do carro elétrico pelos consumidores. Por que as montadoras lutariam tanto contra a própria criação? Declarei à diretoria da GM que o EV1 surgira... para deixar a GM na dianteira da tecnologia... de se mover um carro a eletricidade. Demos a eles 2 ou 3 anos de dianteira, eu penso. Mas me frustra eles não terem aproveitado isso. E o motivo disso, que discutimos com a diretoria... foi não verem lucros advindo... dos carros elétricos ou híbridos. Não entendiam como a Toyota... lucrava com o Prius, por exemplo. Achavam que ela ia falir. Mas como vemos, não creio que a Toyota esteja falindo. Se a perda de receita preocupava as montadoras... o carro elétrico apresentava ainda outro problema. Ele não tinha motor a combustão... o pilar da indústria de automóveis. Essas peças representam boa parte do lucro do revendedor... através de troca e manutenção. Este grupo de peças é uma representação visual... dos lucros que a indústria deixa de ter ao vender o EV1... ou qualquer carro elétrico. Consigo identificar muitas não usadas no programa do EV1. Como os filtros de óleo, que se troca 4 vezes ao ano. Esta foi a mais importante... além das latas de óleo que os acompanham a cada troca. Nunca gostei de trabalhar com motores a combustão... porque você se suja muito. Trabalhando com o EV1, você volta assim para casa. A manutenção do EV1 era bem simples. Eles vinham a cada 8.000km. Nós os posicionávamos aqui. Fazíamos rotação dos pneus... adicionávamos líquido limpador e o liberávamos. Incrível. Veja como se sujei só de manusear isso. É uma tristeza. Para comercializar um carro ecológico... você tem de sugerir que seu produto polui. Que usa petróleo e gasolina... aumenta nossa dependência de petróleo estrangeiro... e que este produto não faz isso. Parece esquizofrênico, mas acho que quando começou... quisemos mostrar ao povo da Califórnia... que podíamos atingir a emissão zero... e depois nos perguntamos: "Queremos mostrar isso?" Pois atingia todos os nossos outros carros. Quanto mais a idéia pegava, maior era a dicotomia... entre ecológico, eficiente e não poluente... versus um Suburban. As montadoras estavam convencidas... de que não conseguiriam ganhar dinheiro a curto prazo... com o carro elétrico. Para isso... precisariam de um veículo totalmente diferente. A GM se comprometeu com o Hummer... pois viam que poderiam lucrar com ele. Quando surgiram os primeiros utilitários... as pessoas disseram: "Não posso dirigir isso". O quê? Essa coisa grande e velha? - É um tanque. - Não consigo ver lá fora. Vou matar alguém com aquilo. - Ele é grande demais. - É grande demais para mim. Mas convenceram as pessoas. Ele é mais seguro. - Você precisa de um carro maior. - Você precisa deste carro. - É um carro mais seguro. - Precisa dele para sua família. A idéia de um EV1 barato e super ecológico... não chamou muita atenção. Mas a idéia de um utilitário enorme... que podia esmagar seu vizinho chamou. Basicamente, ele reflete o que eram os anos 90. O que começou como dedução fiscal de US$25 mil... passou para US$100 mil quando o Congresso aprovou... o pacote de estímulo econômico do presidente. Achamos que as pequenas empresas precisam de apoio agora... para continuarem e mantermos a economia seguindo em frente. Há um encorajamento para a pequena empresa... não só para se manter à tona... mas comprar o maior consumidor de combustível possível. Os carros de 3 toneladas, os maiores. Isso faz sentido? Não creio que possamos ditar... que veículo as pessoas devem comprar. - Acho que o objetivo aqui... - Isso os encoraja. Quase dá para comprar o carro com a dedução fiscal. Não vou dizer que isso deverá ser usado desta forma... Há provas de que é como isso tem sido usado. Não sei, teremos de esperar e ver o que acontece. DEDUÇÃO MÁXIMA DE IMPOSTOS EM VEÍCULOS ELÉTRICOS: US$4.000 DEDUÇÃO MÁXIMA DE IMPOSTOS... PARA GRANDES UTILITÁRIOS: US$100.000 DEZEMBRO DE 1999 - A GM ADQUIRE O HUMMER DA AM GENERAL UM MÊS DEPOIS... A GM DESMONTA A FÁBRICA DO EV1 EM LANSING, MICHIGAN Não quero ver o governo tirar o Hummer do mercado. Quero ver todos terem chances iguais. Mas me incomoda que não sejam chances iguais. Usamos os militares para assegurar o petróleo. Usamos o dinheiro dos impostos... para apoiar as montadoras de várias formas... e não para aquilo que precisamos realmente fazer... para nos preparar para o futuro. SUSPEITO - GOVERNO A política federal sempre teve o poder de moldar o futuro. Ao dar grandes incentivos para a compra dos utilitários... o governo federal também entrou com um processo... para deter o carro elétrico na Califórnia. Alguns apontaram a influência... das indústrias automobilística e petrolífera. Eles controlam as coisas em Washington. Eles e a indústria de automóveis. E agora têm Andrew Card, seu antigo lobbista... como chefe do estado-maior na Casa Branca. Acho que agora não precisam mais pagar lobbistas... e estão economizando um pouco. Andrew Card era chefe do estado-maior... quando o governo Bush assinou o processo contra a Califórnia. Ele também foi presidente e diretor... da Associação Americana de Fabricantes de Automóveis... durante a campanha para acabar com a ordem do carro elétrico. As indústrias começaram a pensar... que se não acabassem com este câncer na Califórnia... ele se alastraria pelo país. Creio que tornou-se estratégia de muitas empresas... tornar isso uma polêmica nacional. Uma vez, até, um congressista proeminente me disse... e não irei citar o nome dele... que podia entender e tolerar o que eu fazia na Califórnia... mas que se eu tentasse alastrar o programa pelo resto do país... eu teria de enfrentá-Io. Âs vezes ouço os debates sobre energia... e penso que estou assistindo um filme antigo, dos anos 70. A discussão é exatamente a mesma de 30 anos atrás. Nosso carro médio, o carro comum nas ruas... é menos eficiente do que era há 20 anos. É uma total renúncia da liderança política. É impossível fazer passar... normas sobre economia de combustível pelo Congresso. Após o embargo do petróleo pela OPEC nos anos 70... o governo americano criou... a Economia Corporativa Média de Combustível, ou Normas CAFE... pela economia de combustível nos carros americanos. Como resultado, em menos de 10 anos... a economia aumentou em mais de 50%. Infelizmente, duas décadas depois... praticamente não houve mudanças. Jimmy Carter foi o úItimo presidente... a ver energia como prioridade. Ele devotou seus primeiros 90 dias de governo... em bolar um plano sobre energia. Eu fiz parte disso... e nenhum presidente, desde então, se esforçou neste sentido. Estou estabelecendo um objetivo... para a política de energia dos EUA. A partir de agora, este país não voltará a consumir... mais petróleo estrangeiro do que foi usado em 1977. PETRÓLEO IMPORTADO PELOS EUA 1977 - 8,8 MILHÕES DE BARRIS POR DIA 2005 - 13,5 MILHÕES DE BARRIS POR DIA Houve uma mudança radical quando Ronald Reagan assumiu... e tirou do telhado da Casa Branca... os painéis solares que Carter instalara... e essencialmente, declarou guerra ao sol. Congelei as regulamentações pendentes... e criei uma força tarefa... chefiada pelo vice-presidente Bush... para rever as regulamentações... e acabar com o máximo delas possível. Liberei o petróleo, o que deve resultar... em produção nacional maior... e menor dependência de petróleo estrangeiro. Quando Reagan assumiu... ele não apoiava a economia de combustível... a conservação, recursos renováveis. Em meados de 1980, ele acabou, praticamente... com as melhorias em economia de combustível para carros. Então, em 1985, o preço do petróleo caiu. Eu não jogaria toda a culpa em Ronald Reagan. Ele teve sua parcela de responsabilidade... assim como os sauditas... que tomaram a decisão calculada... de baixar drasticamente o preço do petróleo... principalmente para assegurar que combustíveis alternativos... e medidas para economizar energia... produzissem os resultados esperados. Quer dizer, eles mantiveram o vício em petróleo. Como resultado, somos viciados nele até hoje. Trabalhei para Clinton quando ele assumiu... e estávamos interessados em bolar alternativas... e melhorar a economia de combustível e os carros. Politicamente, era bem pouco atraente. O lobby automobilístico era bem poderoso, na época. A administração fez um acordo com as montadoras... uma parceria para uma nova geração de carros... que seriam desenvolvidos híbridos... uma combinação de motor a gasolina... e sistema de direção elétrico. Em troca, seguiríamos as normas de economia de combustível. Nunca conheci uma criança de 5 anos como esta. Quando apertamos as mãos, ele me disse... "Prazer em conhecê-Io, Sr. Presidente. Quero que faça um carro movido a eletricidade... que não polua o ar." Fiquei tão impressionado... que fui apresentar o menino a Al Gore, e ele disse... "Olá, Sr. Vice-Presidente. Vou passar a vida trabalhando nisso." E ele disse: "Vou ajudá-Io a criar... um carro elétrico que não polua". E Al Gore respondeu: "Significa que seremos sócios." E o menino disse: "Creio que sim. Mas o senhor não entende. Vou passar a vida fazendo isso." Durante 8, 9 anos gastamos um bilhão em impostos... desenvolvendo veículos híbridos. Ironicamente, as montadoras americanas... não colocaram os carros híbridos nas ruas. Assim que George Bush foi eleito... elas se afastaram dos híbridos. Mas a ironia é que o programa americano... deixou os japoneses nervosos. Então a Toyota e a Honda desenvolveram carros híbridos... pois eles não queriam ser vencidos pelos EUA. ECONOMIA MÉDIA DE COMBUSTÍVEL ATÉ 2006 VEÍCULOS HÍBRIDOS JAPONESES: 18KM POR LITRO VEÍCULOS HÍBRIDOS AMERICANOS: 10KM POR LITRO Agora, eles levam as pessoas a crer... que estão fazendo alguma coisa com sua fala mansa. Mas lembro que antigamente, eles brincavam, dizendo... "Estamos dando música aos ambientalistas... e ação para a indústria". O segundo passo para tornar... os EUA menos dependente do petróleo estrangeiro... é produzir e refinar mais petróleo nacional... de maneiras mais ecológicas. De longe, o local mais promissor de exploração de petróleo nos EUA... é a Reserva Nacional da Vida Selvagem do Ártico, no Alasca. Os cientistas previam que o petróleo... sob a Reserva Nacional da Vida Selvagem do Ártico... pudesse suprir os EUA durante pouco mais de um ano... mas aumentar os padrões de economia para 17km por litro... economizaria a mesma quantidade de combustível em 15 anos. As indústrias petrolífera e automobilística... são resistentes a mudanças. O povo americano precisa lembrar que foi necessária uma lei... para terem cintos de segurança nos carros. Para terem "air bags" nos carros. Para aumentarem a milhagem de 5km para 8km por litro. Para terem catalisadores para controle da poluição. Acho que é importante... deixar os carros ecológicos para a indústria de automóveis. SUSPEITO - COMISSÃO DE RECURSOS AÉREOS DA CALIFÓRNIA A ordem da Califórnia forçou as montadoras... a fazer carros elétricos. Quando o estado a mudou, os carros desapareceram. Por que a Califórnia voltou atrás nesta lei ousada? Ao visitar as montadoras, eles me diziam... "Não podemos produzir essa quantidade... de carros movidos a bateria." Convenceram-me de que não havia o que fazer. "Temos de limpar o ar ou temos de forçar... que certo tipo de tecnologia circule nas ruas?" Alan Lloyd falhou... ao guiar a ordem de emissão zero a um final bem sucedido. Conheço Alec muito bem. Conheço-o bem... e houve uma certa troca de memorandos muito sinceros. Isso me feriu, pois tenho o maior respeito por Alec. E doeu ser acusado de abandonar os elétricos a bateria. Além de presidente... da Comissão de Recursos Aéreos da Califórnia... Alan Lloyd tinha outro cargo. Quatro meses antes da reunião que matou o carro elétrico... Alan Lloyd aceitou ser presidente... da Associação de Células de Combustível da Califórnia. Estou envolvido com o hidrogênio desde os anos 90. Ao me tornar presidente... da Comissão de Recursos Aéreos... dez anos depois, já sabia muito sobre o hidrogênio. Eu sou muito voltado para a tecnologia. Pode-se dizer que é uma vantagem ou uma desvantagem... no tocante ao hidrogênio. Eu sabia o que podia ser feito. SUSPEITO - CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL A HIDROGÊNIO Dê licença enquanto vejo meu amor descer aqui. As montadoras convenceram a Califórnia... que os fatos apoiavam o desenvolvimento... de carros movidos a células de combustível a hidrogênio. Eles seriam uma opção melhor que os carros elétricos? Bill Reinert, gerente nacional... do programa de células de combustível da Toyota... levou seu modelo de utilitário... em uma turnê de imprensa nacional. Um de nossos clientes... não gostou tanto deste carro quanto do EV1. E não porque houvesse algo de ruim no carro... mas porque ele podia recarregar o EV1 em casa e no trabalho. E embora houvesse limitação de quilometragem percorrida... ele não precisava se preocupar com a recarga. Com este carro... e o acesso limitado a postos de hidrogênio... ele disse que passava o dia planejando... como reabastecer o carro e como voltar. Era mortificante. Quanto mais você sabe... mais percebe que desconhece os problemas que virão. A pior pergunta é quando vão estar no mercado. Quando será comercializado. Esta é a pior pergunta. Os consumidores provavelmente vão querer saber... quando começará a produção em massa. Isso ainda está longe. Temos questões técnicas sobre o hidrogênio para resolver... como estocagem, durabilidade e redução de custos. Já existe alguma solução prática? Os carros têm alcance limitado. Sua durabilidade não é muito boa... Deixe-me ver o que mais. Eles não se saem bem no frio. Afora isso, eles são ótimos. Você já foi a uma corrida de cães? O coelho mecânico sai na frente. Os cães nunca o alcançam. A célula de combustível é como o coelho mecânico. Nos úItimos 15 anos, eles nos dizem... que as células de combustível... estarão disponíveis em 10 ou 15 anos. Você é uma empresa petrolífera. Seu negócio é vender combustível. Eles acham que 30 anos é muito tempo... e querem ter um produto para vender. A partir daí, eles estão se protegendo. Mas por outro lado, estão protegendo seu "status quo". Vemos na "Scientific American" anúncios de duas páginas... da General Motors e da Shell. Da GM, apregoando as células de combustível... e da Shell como fornecedora em potencial de hidrogênio. Se o hidrogênio for melhor condutor de energia... que a eletricidade, então ele será o escolhido. O problema é que isso está muito longe. Quanto ele irá percorrer até ficar sem combustível? Entre 160km e 200km. Ótimo, interessante. Um carro com célula de combustível... a hidrogênio e eletricidade... gasta de 3 a 4 vezes mais energia... que um carro movido a baterias. Este é o começo de uma tecnologia fantástica... e agradeço por nos receber hoje. Vou já olhar outros veículos. O hidrogênio é a onda do futuro. Hoje, há muito entusiasmo pelos carros a hidrogênio... e escrevi um livro sobre isso, "The Hype About Hydrogen". Creio que está claro que o hidrogênio... é um combustível alternativo mais difícil... que qualquer outro já cogitado. São necessários 5 milagres... para ter um carro a hidrogênio de sucesso no mercado. Primeiro, o carro comum a hidrogênio... custa um milhão de dólares. Isso tem de baixar. Segundo, nenhum material... consegue armazenar hidrogênio suficiente... e dar ao carro a quilometragem que as pessoas desejam. Terceiro, o combustível é caro demais. Mesmo o hidrogênio de combustíveis fósseis... é duas ou três vezes mais caro que a gasolina. Quatro, é preciso uma estrutura de abastecimento. Temos 180 mil postos de gasolina. Alguém terá de construir... de 10 a 20 mil postos de reabastecimento de hidrogênio... para que as pessoas se interessem. E cinco, precisa rezar para que seus concorrentes... não criem nada melhor. Por que, no momento... o melhor carro no mercado melhorou muito, é o híbrido. Ainda é movido a gasolina. Pode ser abastecido em qualquer lugar. Tem o dobro do alcance de um carro comum. Os carros híbridos atuais dependem da gasolina... mas usam um motor elétrico... para aumentar a economia de combustível. Se a tecnologia das baterias continuar a melhorar... os melhores híbridos, em 2020... serão muitos superiores ao melhor carro a hidrogênio. Vocês já me filmaram bastante para saber... que gosto de me ouvir falando, para começar. E, em segundo lugar, que não vou enrolar nessa questão. Isto pode estar bem distante, no futuro. Para a Toyota, carros a célula de combustível só em 30 anos. Certo. Aí, recebo telefonemas do DOE e estado da Califórnia... "Que diabos está fazendo?" E todos os outros fabricantes. "Estamos tentando ganhar a vida e você me diz isso"...Horrível. Só porque um bando de gente quer que funcione não garante. Isso é a Disneylândia. Desejar faz com que se torne realidade. E não trabalho na Disneylândia. Estou no mundo real... onde desejar não faz com que algo se torne realidade. É preciso trabalhar muito para isso. Tomara que trabalhemos. 14 DE MARÇO DE 2005 No 27 o. Dia de vigília... a GM finalmente contata os ativistas. Telefonaram para Cols. "Estão ocupados? Estão trazendo os carros, agora. Na GM, estão carregando os carros nos caminhões." E nós ficamos: "O quê? Vamos largar tudo e ir para lá". - Avise a mídia, estão saindo. - Certo. E se estiverem fechados? Os colocaram em caminhões. Pneus rangendo e painéis batendo uns contra os outros... enquanto os enfiavam nos caminhões. Somos contra o dinheiro do mundo. Contra a indústria do petróleo. A indústria automobilística. É Davi contra Golias, de uma forma ampla. Mas se houver Davis suficientes no mundo... nós podemos vencer. Que vergonha, GM! Salvem o EV1. A General Motors está tirando os EV1's daqui. Destruindo-os. Fazendo o trabalho das empresas de petróleo. O que vamos lhes pedir é que fiquem só na área de grama. Se saírem da passagem... ao menos, não teremos de encostar em ninguém. Obrigado. Não destruam o EV1! Em 15 de março de 2005... os últimos EV1 de Burbank foram levados e destruídos. MUSEU AUTOMOTIVO PETERSEN LOS ANGELES, CALIFÓRNIA - Beleza, entre. - Legal. Vamos até a casa-forte e eu lhe mostrarei o carro. Que saudade desse carrinho. Adoramos ter este carro. Temos vários veículos elétricos na coleção, além de híbridos. Mas estamos particularmente contentes com este. E este era especial. - Lá está ele. - Meu bebê. Número 99. Talvez reconheça este carro. - Sim. Era o carro de Chris. - Era mesmo. Por favor, sente-se. Só há um desafio. Não dá partida. Você sabe que a General Motors desabilitou-os. Eu sei. Queria que não tivessem feito isso, mas era preciso. Nós entendemos. Estamos felizes de tê-Io. É uma parte muito importante da história do automobilismo. É, sim. Só que... Que um fabricante como a GM participasse desse programa. Maravilha. Mas ele não deveria ser parte da história automobilística. Desde 1939, eles acenavam com esse carro elétrico. Havia alguns modelos. Diziam que haveria outro, dentro de alguns anos. Que nunca houve, porque não pretendiam que houvesse. Ganham dinheiro demais com a estagnação tecnológica... do motor de combustão interna. SUSPEITO: EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS - CULPADO Se algo se torna escasso... há pressões econômicas por alternativas. E enquanto não houver alternativas... o item raro pode se tornar cada vez mais lucrativo. SUSPEITO: EMPRESAS DE PETRÓLEO - CULPADO São as mesmas baterias usadas nos laptops. Temos 6.800 células. Ele pode percorrer cerca de 480km com uma carga... na velocidade de 120km/h. Ele vai de zero a 90km/h em 3,6 segundos. É um desempenho incrível para qualquer carro... não apenas para o carro elétrico. Estas mesmas baterias podem ser instaladas em um EV1... para torná-Io um carro de alcance padrão, facilmente. É uma vergonha ver estes carros destruídos... quando poderiam ser melhorados. SUSPEITO: BATERIAS - INOCENTE Sei o que fiz e por que fiz. E se tivesse de fazer a mesma coisa, com estes dados... tendo visto o que aconteceu, até hoje... eu faria exatamente o mesmo. SUSPEITO: C.A.R.B. - CULPADO Para a maioria dos americanos, falamos de política de energia. O que a maioria aqui diz é... "Vai me fazer usar um carro pequeno. Vai me fazer manter minha casa fria e, basicamente... vai me fazer viver como um europeu". SUSPEITO: CONSUMIDORES - CULPADO É falta de liderança. Não poder enfrentar a indústria do petróleo e a automobilística... e reconhecer que não são os EUA. Os EUA têm de ser os EUA, mas agem como se fossem a GM. SUSPEITO: GOVERNO - CULPADO Estão esbanjando quantias enormes em carros a hidrogênio... que por qualquer estimativa razoável... não estarão à venda no mercado por mais 2 décadas, no mínimo. E acho que isso ficará como um dos maiores erros... da história da indústria automotiva. SUSPEITO: CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL A HIDROGÊNIO - CULPADO Nunca ouviu a expressão: "Morte por um milhão de cortes"? Cortes pequeninos um dia farão alguém sangrar até morrer. A luta pelos carros elétricos foi, simplesmente... uma luta sobre o futuro. Golias ganhou esta rodada. Mas agora, Golias tem novos problemas. Os preços da gasolina subiram. Os EUA estão envolvidos na guerra no Oriente Médio... e o aquecimento global é uma ameaça cada vez maior. O que podemos fazer para remodelar o futuro? Esta cidade está repleta de nomes famosos... que já não estão mais aqui. Por quê? Porque não conseguiram adaptar-se à mudança. Todos temos de nos adaptar às mudanças. Não discutir sobre de quem é a culpa, ou o que culpar. Vamos construir novas indústrias. Vamos fortalecer os EUA, de novo. Chelsea continua seu trabalho com um novo grupo... chamado Plug-ln America... trabalhando com cidadãos de todo o espectro político... para promover um futuro de energia independente. Conheci Jim Woolsey em um evento e, como se viu... ele já era um grande fã de coisas que fazíamos... e veio trabalhar com a Plug-In America. É um exemplo das relações que devem existir... para alcançarmos o que todos queremos. Servi em 4 governos por indicação presidencial... em diferentes aspectos da segurança nacional. O fato de 2/3 das reservas de petróleo do mundo... estarem no Oriente Médio e sermos tão dependentes deles... é uma importante questão de segurança nacional. Atrás de mim, há duas coisas. Uma é um Prius, um Toyota híbrido gasolina-elétrico... e uma sub-estação elétrica. Hoje, não têm muito a ver um com o outro. Mas há chance de que venham a ter, de um modo positivo. Acho que o híbrido "plug-in" é o próximo passo. E está disponível para nós, hoje. Este é um Prius híbrido plug-in... uma modificação do Toyota Prius normal... que permite viajar e rende 60, 70km por litro de gasolina... nos primeiros 80 a 96km do dia. Não precisamos de infra-estrutura... de recarga onerosa para o carro. Basta conectar à tomada, em qualquer lugar da garagem. E deixamos os ambientalistas felizes, porque é mais limpo. Deixamos os neo-conservadores felizes, porque usa menos gasolina. Todos ficam felizes, porque usa menos gasolina. O "plug-in"poderá ajudar muito... a reduzir nossa dependência de gasolina. E gerar eletricidade usando o vento e o sol... causará ainda menos poluição. Com sua tecnologia de bateria na maioria dos carros híbridos... o Dr. Ovshinsky também construiu... uma das maiores fábricas solares de filme fino do mundo. Este é só um teto de aço comum. E este, com adesivo. É só colocar as telhas, pregar. Pronto. Você conecta os cabos. Tudo é só ligar e funcionar. Quem quiser fazer revolução não precisa pegar em armas. É só sair e começar a trabalhar como nós... para mudar o mundo usando a ciência e a tecnologia. Estou muito otimista quanto ao futuro. Mesmo com tudo que vimos, as guerras do EV... eu continuo otimista. Algo que faz os EUA funcionarem... é a crescente agitação popular por coisas que são novas. Quando se tem uma coalizão dessa magnitude e caráter... consegue-se a atenção dos políticos. Aqui, temos um problema sério. Os EUA são viciados em petróleo. E considero que esta seja uma coalizão potencial... entre preservacionistas, idealistas, fazendeiros... os grandes chefes e evangélicos. É uma coalizão de bom tamanho. Estamos prestes a entrar em um mundo... verdadeiramente renovável e completamente limpo. Basta apenas que tenhamos força de vontade para isso. Não é preciso esperar... que grandes empresas automobilísticas o façam. Você mesmo pode fazê-Io, como estou fazendo aqui. Carros antigos, carros novos, não importa. Posso transformar qualquer coisa. Vocês ainda não viram nada. O futuro será brilhante nesta área... e as forças estão pressionando nessa direção... tanto econômicas como tecnológicas. Quando as pessoas virem essas coisas, dirão... "Eu quero fazer isso". E a notícia está se espalhando. Isso nos dá esperança. Esperança de podermos chegar ao fim da vida... tendo alcançado o que nos pusemos a alcançar. E conseguimos. E vocês ainda têm muitos anos para fazer o que querem. Eu não terei tempo suficiente. Já estou com o motor falhando.

Video Details

Duration: 1 hour, 32 minutes and 27 seconds
Country: United States
Language: English
Producer: Jessie Deeter
Director: Chris Paine
Views: 456
Posted by: stringecho on Apr 5, 2010

Why we still don`t drive electric car?

Caption and Translate

    Sign In/Register for Dotsub to translate this video.